Monthly Archives: Novembro 2017

Como Lidar com o Assunto Vacinas

Hoje é dia de… vacinas!

Levar o bebé às vacinas. O coração fica bem apertadinho e dói-nos ainda mais do que se fosse conosco. Não haja dúvidas que não é um dia de sorrisos.

Mas as vacinas são essenciais. Foi o maior avanço na medicina nos últimos anos e salvam nove milhões de vidas por ano! As vacinas não protegem apenas os nossos bebes.

É o facto de haver um a Programa Nacional de Vacinação que a maior parte da população cumpre, que cria o que chamamos de imunidade de grupo, uma protecção das crianças vacinadas e das crianças não vacinadas, nomeadamente por ainda não terem idade para administração de vacinas.

Assim, por muito que doa aos nossos bebes e por muito que nos possa custar, vacinar deve fazer parte das nossas vidas tanto quanto comer, dormir ou tomar banho.

Para que o bebe esteja mais confortável no dia das vacinas, podemos deixá-lo dormir tudo o que ele quiser, dar de mamar na altura em que se administra a vacina e até administrar paracetamol para atenuar a dor e outras reacções adversas leves que por vezes acontecem.

Depois da administração é importante embalar o bebe e pode ser aplicado gelo local.

Claro que alma de mãe sofre com o mais pequeno choro do seu bebé e portanto também é importante a seguir à vacina, fazer alguma coisa com o nosso bebé que dê prazer a ambos.

Eu escolhi aproveitar este dia lindo que esteve hoje para ir passear ao jardim, ouvir os pássaros a cantar, ver as andorinhas a fazer mergulhos na brincadeira, cheirar o Verão que este ano veio em força.

Como escolher o colchão para o berço e o porquê da minha opção Babykeeper

A escolha do berço do bebé e respetivo colchão é uma das primeiras que temos de fazer, ainda durante a gravidez. Não é nada fácil escolher um colchão. Os colchões que são vendidos em Portugal têm muito pouca informação e não têm certificação de segurança.

Por outro lado há pouca variedade e não existem assim tantas lojas onde comprar.

Ao contrário daquilo que tendemos a pensar em relação ao conforto, devemos procurar, acima de tudo, um colchão que seja firme.

Tipos de Colchões

Colchões de Espuma

São os colchões mais leves e com espessura variável entre 8 e 15 cm. Devemos procurar colchões que sejam duros e resilientes a pressão.

Colchões de Molas

Consistem em molas cobertas de espuma, enchimento e tecido.

Colchões Orgânicos

São compostos de materiais naturais ou orgânicos incluindo algodão, lã, fibras de coco, polímeros alimentares, espuma vegetal e látex natural. Estes colchões podem ser de espuma, de molas ou de outro tipo.

Estes colchões são caros, mas os seus defensores alegam que produtos químicos utilizados nos colchões padrão, como retardantes de fogo, vinil e espuma de poliuretano, libertam gases que podem ser tóxicos para o bebê. Outros referem a possibilidade do látex causar alergia na criança. Estes componentes e os seus efeitos encontram-se em estudo e não está comprovado que sejam nocivos.

Características do colchão para o berço

Segurança

Dimensão Adequada

O colchão deve estar perfeitamente adaptado ao berço, não devendo haver espaço entre eles. Nunca deve haver um espaçamento superior a 3 cm.

Se houver espaço entre o colchão e o berço haverá o risco do bebé ficar preso e asfixiar. As dimensões dos berços, mini berços e camas de grades normalmente são padronizadas, mas poderá haver algumas variações.

O ideal é utilizar o colchão recomendado pela marca do berço ou medir o berço antes de adquirir um novo colchão.

Consistência Firme

O colchão deve ser firme e de consistência dura. Parece um contra-senso colocar o bebé numa superfície rígida; parece que o bebé fica desconfortável. No entanto, devemos lembrar-nos que esta é a característica mais importante do colchão para o berço. Um colchão mole e que afunda pode levar a asfixia.

Para testar a firmeza do colchão devemos pressionar no centro e nas bordas com firmeza. O colchão deve voltar à forma original assim que aliviamos a pressão.

Se o colchão se molda à nossa mão, quando pressionamos, também se molda ao bebé, que terá dificuldade para mudar de posição e poderá ficar “retido” numa posição de risco.

Densidade Elevada

O colchão deve ter uma densidade elevada e que mantenha o bebé em segurança.

A maioria dos colchões de espuma não tem especificação de densidade, mas podemos ter uma noção vendo o peso (quanto mais pesado, mais denso). O peso deve ser pelo menos 48 kg/m3. Os colchões de molas devem ter pelo menos 135 rolos e a bitola deve ser baixa, inferior ou igual a 15,5 (correspondente ao arame mais espesso e que dá maior firmeza ao colchão).

Respirabilidade

Devemos verificar se o colchão tem orifícios para ventilação no seu rebordo, porque permitem a entrada e saída de ar, além da saída de odores.

Capa Espessa

A capa do colchão deve ser grossa com dupla ou tripla camada reforçada com nylon. Esta composição resiste melhor à passagem de líquidos e ao desgaste natural do colchão.

O colchão deve ser respirável para cumprir com as normas de prevenção da Síndrome de Morte Súbita do Lactente e, idealmente, não deve ser utilizado nenhum tipo de proteção impermeável.

Esta medida tem como objetivo evitar o risco do bebé se virar e dormir com a face pressionada contra o colchão. Se o colchão for impermeável ou tiver alguma camada impermeável, não haverá passagem de ar, podendo conduzir a asfixia.

É difícil adaptar esta regra ao facto dos bebés poderem vomitar ou fazer chichi e cocó fora das fraldas. Um bom meio termo para evitar isso seria colocar alguma proteção a cobrir a metade inferior do colchão.

Certificação: Normas de Segurança Infantil

Em Portugal os colchões vendidos não têm informação sobre certificação de segurança, o que é um problema.

Se o colchão for comprado nos Estados Unidos deve ter a certificação do U.S. Consumer Product Safety Commision e da American Society for Testing and Materials.

Se o colchão for orgânico deve ter certificação Oeko Tex Standard 100, atestando que retardantes do fogo e metais pesados não foram utilizados na produção do colchão.

Praticidade

Peso

O peso do colchão depende do seu tipo:

  • Colchão de espuma: pesa de 3 a 3,5 kg, exceto os colchões de espuma com memória, uma forma especialmente rígida de espuma, que pesa cerca de 9 kg.
  • Colchão de molas: pesa de 7 a 11 kg.

O peso é importante para nos facilitar ao trocarmos a roupa do berço.

Limpeza

Alguns colchões permitem apenas a limpeza de manchas e não de todo o colchão. Outros têm capas laváveis na máquina e/ou podem ser lavados no chuveiro depois de retirar a capa (lavável na máquina).

Durabilidade

A durabilidade é maior no colchão de molas ventilado.

Utilização de colchões para berço usados

Os colchões que tenham rasgões, buracos ou espuma/enchimento exposto não devem ser utilizados. Assim como os colchões em segunda mão que estiveram expostos a vómito, chichis e cocós de outro bebé, porque pode haver crescimento de bactérias e consequentemente, alguma contaminação.

Alguns estudos mostraram aumento do risco da Síndrome de Morte Súbita do Lactente com a reutilização de colchões para berço, mas é incerto se existe relação com o colchão/berço em si ou se esta é uma associação indiferente à reutilização.

E agora, como procurar as características certas do colchão em Portugal?

Tudo o que foi dito até aqui corresponde ao ideal. Mas entre o ideal e a realidade, vai uma grande distância. Várias destas características nem sequer vêm mencionadas nas descrições de produto dos colchões e, mesmo questionando o fabricante, essa informação não é fornecida.

Em Portugal é muito comum comprar os colchões para berço no IKEA. Em termos de custo efetivamente são mais baratos e bem mais fáceis de adquirir do que outros colchões. No entanto estes colchões têm densidades muito inferiores às ideais, com pesos de 25 kg/m3, quando o que se pretende são 48 kg/m3 no mínimo.

São descritos como colchões macios e confortáveis. Estas características são desejáveis na criança mais crescida mas não no bebé.

Por outro lado, para quem comprou o berço ou a cama de grades no IKEA há que notar que os berços descritos como 120×60 cm podem ter dimensões ligeiramente superiores às anunciadas. Nomeadamente alguns berços têm rebordos ou recantos nas paredes do berço, passando de 120 cm para 122 cm de comprimento. Esta especificidade faz com que seja mais difícil encontrar colchões fora do IKEA adaptáveis a estes berços.

Colchões de espuma Babykeeper

Estes colchões são feitos para cumprirem com todas as normas de segurança do sono do bebé e esse aspeto é bem visível nas descrições de produto. Tratam-se de produtos médicos.

Anunciam que é o único colchão que previne a Síndrome de Morte Súbita do Lactente (SMSL) mas este tipo de afirmações têm de ser vistas com cautela. A SMSL pode ocorrer em associação a vários fatores. É certo que estes colchões reduzem os fatores que podem ser associados à superfície onde o bebé dorme mas há outras características que podem ter ligação com esta síndrome.

Não existe informação disponível sobre a densidade ou o peso destes colchões. Existem vários modelos e dimensões para adaptação ao mini berço e à cama de grades e até combinações dos dois.

Características Técnicas

  • Dimensões: 50 x 80 cm (para mini berço), 120 x 60 cm (para cama de grades) e 140 x 70 cm (para cama de grades).
  • Peso: a informação disponível é inconsistente, com colchões 50 x 80 cm descritos como tendo 2,2 kg a 3 kg e colchões 120 x 60 cm descritos como tendo 360 g. Não há informação sobre a densidade.

Segurança

  • Respirável: o tecido e núcleo do colchão permite a saída de CO2 do seu núcleo, com retenção de 3,5% quando o limite de segurança é de 5% e a retenção da maioria dos colchões do mercado é 7%.
  • Componentes seguros para o bebé: classificação de segurança Oeko Tex classe I, com componentes não tóxicos e que podem estar em contacto com a pele e mucosas do bebé.
  • Firme: tem uma firmeza adequada, não afundando com tanta facilidade quando o bebé dorme de lado ou de barriga para baixo.

  • Não retém a humidade: quando em contacto com líquidos como chichi, cocó ou vómito, permite que estes atravessem o colchão e não fiquem retidos. O colchão mantém-se respirável.
  • Temperatura: o núcleo é reticular e a base desenhada em 3D pelo que favorece a diminuição da temperatura, um dos fatores que pode estar associado a SMSL.

Facilidade de utilização

A maior parte dos modelos Babykeeper, Babykeeper Optimus e Babykeeper Optimus Therm podem ser lavados no chuveiro (o núcleo) e a capa pode ser lavada na máquina a menos de 40ºC.

Estes colchões podem ser utilizados sem lençóis.

Modelos

  • Babykeeper Classic
  • Babykeeper Optimus: é um colchão 2 em 1 com um colchão para mini berço de 50 x 80 cm incorporado noutro para cama de grades de 60 x 120 cm ou 70 x 140 cm.
  • Babykeeper Classic ou Optimus Therm: tem uma capa ou sinal luminoso que muda de cor com o aumento da temperatura do bebé, sinalizando aos pais a necessidade de retirar roupa ou medir a temperatura do bebé.

Onde comprar

Preço

  • Colchão Babykeeper 50 x 80 cm: 99-148€.
  • Colchão Babykeeper 60 x 120 cm: 190-228€.
  • Colchão Babykeeper 2 em 1 60 x 120 cm: 199-270€.

O porquê desta minha opção?

Estes colchões foram testados em termos de segurança quanto a respirabilidade, controlo de temperatura, passagem de líquidos e firmeza e também segurança dos componentes. Por outro lado, sendo laváveis, acaba por ser mais fácil mantê-los.

A meu ver têm três desvantagens:

  • Preço: o preço é elevado. No nosso caso que escolhemos um berço IKEA é mais caro que o berço! Foi um esforço que fiz porque são os únicos colchões que oferecem estas características de segurança em Portugal.
  • Durabilidade: estes colchões são de espuma, duram menos que os de molas.
  • Dimensões: este factor já se prende com o facto de que tenho um berço IKEA cujas dimensões na superfície onde assenta o colchão não são 120×60 cm. A diferença é inferior a 2 cm mas verifiquem sempre este fator antes de comprar tanto o berço como o colchão.

É verdade que existem muitos outros colchões que são respiráveis e por preços bem mais em conta. Também é verdade que esses colchões, na maioria das vezes não foram testados ou não reunem todas estas condições.

É um mundo de escolhas e é bem difícil controlar as finanças familiares com um bebé (e às vezes dois, três ou quatro outras crianças em casa), por isso boa sorte na procura do colchão ideal. Se encontraram outras marcas interessantes, partilhem! Gostava de ouvir a vossa experiência!

 

 

Natação para bebés

Sempre gostei da ideia de natação para bebés porque os bebés costumam adorar. A água replica o ambiente dentro do útero e pensa-se que é por isto que os bebés se sentem confortáveis.

Além disto eu sempre adorei água e tudo o que é piscina e praia me deixa feliz. Não se a minha M. vai gostar mas decidi experimentar e ver.

Natação para bebés

Decidi, como em tudo o resto, que o melhor era informar-me bem sobre esta atividade antes de a fazer e partilho aqui convosco o resultado dessa pesquisa.

Benefícios da natação para bebés

Ensina estratégias de segurança e sobrevivência na água

Infelizmente, o afogamento é a segunda causa de morte em crianças em Portugal. E é suficiente que haja água, para haver um afogamento. Não é preciso que seja na piscina ou na praia. Basta uma banheira ou até um alguidar. A aprendizagem de como nadar, agarrar-se à borda da piscina e sair faz parte das aulas de natação para bebés desde os primeiros meses.

Promove a saúde física e mental do bebé

Qualquer atividade física é saudável e habituar os bebés desde pequenos a estas atividades pode promover a sua aceitação mais tarde. A obesidade infantil tem estado a aumentar e a diabetes, obesidade e hipercolesterolemia no adulto também. Os bons hábitos desenvolvem-se desde a infância. Por outro lado, os pais que acompanham o bebé também se exercitam e queimam em média 300 kcal por sessão!

Promove o desenvolvimento

Ajuda o bebé a exercitar-se num ambiente confortável e até familiar para eles. Ativa os cinco sentidos – cheiro, paladar, visão, audição e tacto. Também ajuda ao desenvolvimento motor.

Fortalece o vínculo do bebé com os pais

Como qualquer atividade com contacto pele-a-pele, promove a ligação entre o bebé e os pais. É uma excelente oportunidade para os pais contactarem com os bebés, já que as mães usualmente têm mais oportunidades de conviver com eles.

Aumenta a auto-confiança e auto-estima

Aumenta a confiança que as crianças têm em si mesmas, aliás como outras habilidades que possam desenvolver.  Também aumenta a confiança dos pais, ao verificarem que conseguem manter o bebé em segurança. É especialmente útil quando os pais estão inseguros (e todas sabemos que há imensas fases de insegurança e incerteza).

Natação para bebés

Desenvolve a coordenação motora

A natação para bebés promove o equilíbrio e coordenação. Foram feitos estudos nesta área que mostraram um maior equilíbrio e capacidade de agarrar objetos nos bebés que fazem esta atividade.

Fortalece os músculos do bebé

O ato de boiar e a resistência da água fazem com que o bebé exercite vários músculos em simultâneo. Estudos nesta área mostraram que os bebés que fazem natação gatinham mais tarde mas andam mais precocemente.

Ressalvo que os marcos de desenvolvimento não são estanques. Há uma faixa etária no qual estas capacidades se iniciam e a idade é variável de bebé para bebé. Por este motivo, este achado não é particularmente relevante (e gatinhar não é um marco de desenvolvimento; há bebés que não gatinham e não têm qualquer problema).

Desenvolve capacidades de aprendizagem em múltiplas áreas

A resposta a comandos verbais repetidos pode aumentar a capacidade de compreensão do bebé.

Alguns estudos mostraram desenvolvimento motor, inteligência e sociabilidade maior nos bebés que fazem natação e avanço de 6 a 15 meses em crianças em idade escolar que nadaram em bebés, quanto a resolução de problemas matemáticos e linguagem.

Estas características são, obviamente, muito variáveis de criança para criança e dependem de muitos fatores, pelo que este benefício tem de ser encarado com alguma cautela.

Melhora os padrões de sono e a alimentação

Como qualquer atividade que diverte ou relaxa o bebé, pode regularizar os padrões de sono e ajudar a dormir à noite. Sendo uma atividade física, também aumenta o apetite.

Idade de início da natação para bebés

Pode ser iniciada em qualquer altura a partir do nascimento. Está recomendado aguardar até às 6 semanas antes de começar, para permitir às mães recuperarem das feridas que possam ter ficado do parto.

A maioria dos ginásios disponibiliza esta atividade a partir dos 3 meses.

Natação para bebés

Material necessário para as aulas

Para os bebés

  • Fraldas de natação: há quem use fraldas reutilizáveis e quem use descartáveis. É essencial que os bebés as usem para não sujarem a piscina. Estas fraldas retêm os cocós mas não os chichis e por isso cuidado ao voltarem de carro, troquem sempre a fralda antes (ou arriscam-se a sujar a cadeira auto, bem sabemos como é para desmontar, lavar e voltar a montar!). Existem várias marcas de fraldas para natação como Moltex, Nabaiji, Huggies e Chelino. Já experimentei as Huggies e até agora funcionaram lindamente.
  • Toalha: pode ser fornecida pelo ginásio ou podem ser os pais a levar. Para os bebés dá muito jeito os ponchos com capuz, que é só colocar pela cabeça e envolver. Existe à venda na Decathlon e Sportzone.
  • Roupa e fraldas normais para utilizar depois da natação
  • Leite ou snacks: esta atividade costuma abrir o apetite dos bebés, por isso convém não esquecer.
  • Fato de banho: é opcional mas, na minha opinião, faz falta. Existem várias lojas com fatos de banho para bebé disponíveis como Sportzone, Decathlon ou Vertbaudet.

Para os pais

  • Fato de natação
  • Toalha
  • Chinelos de borracha
  • Touca: confirme antes com o ginásio porque nem sempre é exigida, sobretudo quando a piscina é separada da dos adultos.

Características a procurar nas piscinas de bebés

  • Temperatura: a piscina deve ser mantida a 32 ºC.
  • Estrutura física: a piscina deve ser pouco funda, deve ter superfícies de apoio e para sentar como degraus e corrimões. Deve ser separada da piscina dos adultos, idealmente numa divisão diferente e sempre sem água partilhada
  • Desinfeção: a maioria das piscinas são desinfetadas com cloro. Existem algumas piscinas desinfetadas com radiação ultravioleta e/ou bromo, que podem ser vantajosas. O cloro poderá ser irritante e causar outro tipo de alterações.

Natação para bebés

O cloro pode ser um problema?

Sim. O cloro é utilizado nas piscinas para desinfeção da água mas é um químico irritante que pode sensibilizar a pele, originando eczema (de contacto ou atópico). Também pode vaporizar e gerar irritação das vias respiratórias.

A exposição frequente a cloro nas piscinas parece estar associada a maior probabilidade de asma. Este facto é especialmente importante se já existe história familiar de doença alérgica (asma, eczema atópico ou rinite alérgica).

Este efeito foi detetado em crianças entre os 10-13 anos sobretudo quando expostas a piscinas com cloro antes dos 7 anos.

Natação para bebés

Os estudos nesta área são pequenos e têm alguns problemas metodológicos, pelo que os dados são sugestivos de uma associação mas não são conclusivos.

Por outro lado, a exposição frequente não é a exposição usual das nossas crianças e certamente não a dos bebés.

Ainda, no caso da alergia respiratória, a exposição ao cloro pode ser evitada se a piscina for bem ventilada e o cloro não andar no ar que respiramos em grande quantidade.

Este problema preocupou-me, no entanto, dado que na família da minha M. há história de asma, eczema atópico e rinite alérgica. Claro que posso evitar as piscinas com cloro e ela vir a ter algum destes problemas à mesma, mas ao menos que não seja eu a acelerar esse processo.

Como resolver este problema

  • Escolher uma piscina que utilize uma concentração baixa de cloro: inferior a 0.5 ppm. Geralmente estas piscinas são desinfetadas com um modo suplementar ao cloro, como a radiação ultravioleta.
  • Escolher uma piscina que não utilize cloro: existem formas alternativas de desinfeção da água, nomeadamente o bromo.

Natação para bebés

E em Lisboa, que piscinas escolher?

  • Sem cloro: Clube VII, no Parque Eduardo VII, é neste momento o único ginásio que tem piscina de bebés desinfetada apenas com radiação ultravioleta e uma pequena quantidade de bromo. Não utilizam cloro.
  • Com baixa concentração de cloro: Virgin Active, com instalações em Lisboa, Oeiras, Porto e Vila Nova de Gaia, utiliza baixa concentração de cloro 0.1-0.5 ppm.

Piscinando, piscinando …

Se procura uma piscina para passar uns bons momentos com o seu bebé, pode estar certa que tomou uma boa decisão. Para quem pode passar um tempinho nestas aulas, pode ser muito recompensador e os bebés costumam adorar.

Tem vários benefícios em termos de desenvolvimento, saúde física e mental e fortalece a ligação com os pais (tal como qualquer momento que os pais dediquem ao seu bebé). Para além disto, o bebé desenvolve capacidades de sobrevivência e técnicas de segurança dentro de água, que lhe serão úteis no futuro. Como se costuma dizer, este país à beira do mar plantado … se há sítio onde faça sentido pensar nestas coisas, é aqui.

Pode começar a pensar nesta atividade desde o nascimento, embora o mais comum seja começar aos 3 meses.

Deve ter alguns cuidados a escolher a piscina, principalmente se há história familiar de doença alérgica.

Se também sentem esta paixão pela água e esta vontade de explorar esta atividade com os vossos bebés, partilhem! Gostava de saber a vossa opinião sobre este assunto.

E acima de tudo aproveitem o prazer que é estarmos com os nossos bebés. Porque não há melhor.